Ibiraçu: Cidade das Orquídeas

A cidade de Ibiraçú fica localizada as margens da Rodovia BR 101, o município possui sua cultura influenciada pelos descendentes italianos.

Conhecida também como Cidade das Orquídeas, a mesma dispõe de orquidários com espécies diversificadas desta delicada espécie da flora local, atraindo pesquisadores e admiradores que usufruem de sua infra-estrutura de serviços para apreciar e estudar os exemplares cultivados.



O charme de suas construções e da antiga estação ferroviária localizada no centro traz um ar de bucolismo e de interior, onde o Rio Jucu Braço Sul serpenteia, junto à rodovia, uma bela corredeira, favorecendo um registro fotográfico deste espetáculo da natureza.

Cercado por vegetação característica da Mata Atlântica é possível de se admirar exemplares de fauna e flora de grande beleza.

A localização do município de Ibiraçú é ao norte de João Neiva; ao sul de Fundão; a leste de Aracruz e a oeste de Santa Tereza.

A população estimada para o ano de 2018 é de 12.365 pessoas, conforme dados do IBGE. E para os nascidos na cidade, recebe o nome gentílico de ibiraçuense.

Visitar Ibiraçú é ter a opção de apreciar a natureza, a gastronomia, as expressões culturais e folclóricas de um povo hospitaleiro e conhecedor de suas tradições.

Utilizando seu potencial turístico e organizando sua oferta de forma planejada, Ibiraçú atende confortavelmente sua demanda turística de modo a propiciar ao seu turista e visitante uma experiência inesquecível.

Aspectos Históricos de Ibiraçú

Em 10 de julho de 1877, partia de Gênova o vapor Colúmbia, com 54 famílias a bordo, para colonizar o atual município de Ibiraçú.

A viagem durou 35 dias até Vitória, onde permaneceram em quarentena. Após a quarentena, as famílias seguiram no vapor Presidente até Santa Cruz e de lá subiram o rio Piraqueaçu em canoas, até chegarem ao Porto de Santana, no Córrego Fundo, onde, sob os comandos do veterano da Guerra do Paraguai, o General Aristides Armínio Guaraná, iniciaram a construção da estrada do núcleo, denominado Núcleo Colonial Santa Cruz.

A Sede do Núcleo Colonial Santa Cruz, da Colônia Santa Leopoldina, foi logo denominada Conde D’Eu.

Em 1890, com a Proclamação da República, o povoado recebeu o nome de Bocaiúva, em homenagem a Quintino Bocaiúva.



Por ocasião da criação do município de Guaraná, o local recebe o nome de Vila Guaraná, numa homenagem merecida ao fundador de Ibiraçú. Entretanto, políticos republicanos, de encontro aos interesses dos velhos imigrantes, em 1892, mudaram o nome da Vila Guaraná para Pau Gigante, nome originário de uma gigantesca árvore de aproximadamente 60 metros existente entre Ibiraçú e João Neiva.

Em 1892, foi nomeado o Primeiro Oficial do Registro Civil, Sr. Epifánio Gasparini.

Em 1932 a vila passou a cidade e, em 1942, a Comarca. O município e a cidade passaram a chamar-se Ibiraçú.

O município de Ibiraçu até 1988 era composto dos seguintes distritos: Ibiraçú (Sede), Acióli, João Neiva e Pendanga. Pela Lei Estadual nº 4076 de 12 de maio de 1988 foi criado o município de João Neiva e instalado a 1º de janeiro de 1989.

O município de Ibiraçu ficou reduzido a dois distritos: a Sede Municipal e Pendanga.

Código: Ibiraçú

Mosteiro Zen Morro da Vargem

O Mosteiro desenvolve várias atividades na área do meio ambiente. Este pólo de Educação Ambiental da Mata Atlântica possui uma área total em torno de 150 hectares, destinada a conservação e recuperação da cobertura vegetal.

O pólo coordenou projetos de reflorestamento e paisagismo em regiões vizinhas e vem recebendo visitantes de diferentes escolas.

O Mosteiro é um dos locais mais visitados da região. Cerca de 30 mil pessoas passam por ele todos os anos. Artistas, intelectuais, políticos e religiosos são presença constante no local. A estação cultural funciona como ateliê-residência de artistas de todo o Brasil.


Leia Também: Vitória: Capital Capixaba


O Mosteiro fica aberto aos domingos, quando o público pode conhecer toda a filosofia, estrutura e paisagens com a companhia de guias. No Mosteiro acontece também a Festa do Meio Ambiente, com ênfase na preservação ecológica, servindo de exemplo para o desenvolvimento sustentável de diversas regiões do país.

Pelo seu trabalho, a instituição recebeu da Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – o título de Posto Avançado da Reserva da Biosfera. Em 1997, foi reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente como uma das experiências brasileiras mais bem sucedidas em desenvolvimento sustentável.

Fundado em 1974 pelo mestre Ryohan Shingu, o mosteiro edificou-se sobre um pilar principal de sustentação: a formação de monges segundo as tradições do Oriente.

Toques de sinos, cantos de sutras e a rigorosa disciplina são semelhantes aos de qualquer centro monástico na Ásia. Primeiro mosteiro Zen da América Latina, procurou adaptar-se, contudo, à realidade brasileira, abrindo-se para o treinamento de leigos.

Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro da Vargem

Morro com mais de 600 metros de altitude, na região do Mosteiro Zen Morro da Vargem, é um santuário ecológico com uma área em torno de 150 hectares de Mata Atlântica.

Um intenso trabalho de educação ambiental é realizado com crianças da rede escolar, agricultores, professores, vereadores, lideranças comunitárias, policiais militares e outros segmentos da sociedade, sempre enfatizando a relação direta entre qualidade de vida e meio ambiente.



Sandra Santos

O site girocapixaba.com é a concretização de um sonho, onde o foco é o turismo do estado do Espírito Santo. Não me canso de dizer: "O Estado do Espírito Santo é Lindo!"

Website: http://sandrasantos.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *