Conceição da Barra

Conceição da Barra, um município localizado no extremo norte do Espírito Santo, reúne valores naturais e culturais que, somados aos equipamentos e serviços, oferecem aos turistas badalação ou tranquilidade e segurança e conforto, ao mesmo tempo.




Os municípios limítrofes: de Conceição da Barra são o estado da Bahia ao norte; o município de São Mateus ao sul e oeste; Pedro Canário e Pinheiros a oeste e o Oceano Atlântico ao leste.

A singularidade das unidades de conservação, a originalidade das manifestações folclóricas, a gastronomia típica, o artesanato local, assim como a estrutura hoteleira e o sistema de alimentação, fazem de Conceição da Barra um núcleo receptor que contribui para a consolidação do Espírito Santo como destino turístico no cenário nacional.

O produto Conceição da Barra viabiliza a implantação de diferentes modalidades turísticas, do forró ao axé, com possibilidade de atender às mais variadas aspirações do turista, que ainda pode se encantar com o jongo ou ainda o ticumbi, manifestações culturais típicas do Município.

Caminhar nas dunas ou nas praias, comer a tradicional moqueca capixaba e depois descansar num confortável hotel ou pousada, sem dúvida são quesitos que não cairão no esquecimento daqueles que visitarem Conceição da Barra. Além de serem fatores decisivos para voltar, apresenta-se como argumento suficiente para multiplicar a demanda turística atual.

Festa da Cidade

A festa que acontece no mês de maio comemora a emancipação política do município, reunindo atrativos religiosos como missa e procissão e sociais como shows, barracas e parque de diversões e atrações cívicas como desfile escolar.

Festa de Iemanjá

Acontece no mês de dezembro, onde os barcos dos pescadores da região se enfeitam e seguem mar adentro para agradecer e oferecer agrados a sua protetora, Iemanjá: a Rainha do mar.

Festival de Forró de Itaúnas

Em Itaúnas, no mês de julho, acontece um concurso de forró, música e dança. O festival reúne bandas de forró de todo o Brasil, quando são premiados os primeiros, segundos e terceiros lugares.

Posteriormente, é gravado um cd com músicas de todas as bandas participantes do festival.

Praias

Praia da Guaxindiba

O local é de encontro das águas do mar e do rio, constituindo a Foz do Rio Itaúnas. Formam-se bancos de areia que proporcionam piscinas de água doce e salgada. Permite um passeio pela Floresta de Raízes que com ostras, aratus, caranguejos e siris integram este ecossistema.

A Praia de Guaxindiba possui cerca de 2km e interliga-se com a Praia da Barra. As águas são mornas e próprias para banho. Nos momentos de maré baixa é possível atravessar a pé o trecho onde deságua o Rio Itaúnas, partindo para a ponta de areia que se estende pelo mar até a Vila de Itaúnas.

Praia de Pontal do Sul

São 12km de praia selvagem. A vegetação nativa é formada por cajueiros e pitangueiras, além das raízes dos manguezais. É uma ponta de areia que se estende em direção ao Rio Cricaré e ao Oceano Atlântico, com águas mornas e próprias para banho.

Praia da Barra

As águas são mornas e formam pequenas piscinas rasas e claras, ideais para crianças e idosos. Na orla concentram-se bares, restaurantes e quiosques à beira mar.

O visual é composto por muitos coqueiros e um calçadão, que acompanha a maior parte da praia. No encontro com o Rio Cricaré, foi construído paredão com pedras e areia para conter o avanço das águas do mar, como parte de um projeto de revitalização da orla.

Toda orla está ameaçada pela erosão da praia, mas este processo invasor poderá ser controlado com a implementação do projeto da orla.

Praia de Itaúnas

Praia com 25km de extensão, limpa, mar aberto e de águas mornas. A vegetação de restinga pode ser apreciada.

Há uma estação ecológica do Projeto Tamar, que desenvolve importante pesquisa sobre a desova da tartaruga marinha.

Código: D33044

Praia do Riacho Doce

É uma praia extensa, ainda em estado nativo, de águas mornas e próprias para banho, com aspecto virgem. Mar aberto, contemplado com um riacho de águas esverdeadas e límpidas com alguns corais e vegetação de restinga. Fica na divisa com o estado da Bahia.

Vilas Barreiras e Meleiras

Barreiras e Meleiras são duas vilas de pescadores, que, embora pertencentes ao município de Conceição da Barra, só é possível se chegar lá partindo da sede e atravessando o Rio Maruiricu.

As duas vilas se confundem num só contexto, repleto de riquezas naturais, como o rio e a vegetação do seu entorno, riquezas culturais, como artesanato e a imagem do santo.

Local tranquilo, propício para famílias e praticantes, ou mesmo iniciantes, na arte de pescar.

Parque Estadual de Itaúnas

Com área total do parque é de 3.150 hectares, compreendendo o espaço que vai da Foz do Rio Itaúnas até Riacho Doce, nos limites do Estado da Bahia. A biodiversidade é rica, formando diferentes ambientes entre dunas, restingas, manguezais, praias, rios e alagados.

Observações complementares: órgão responsável pela área é a SEAMA/IEMA. O parque é área piloto da reserva da Biosfera de Mata Atlântica que, em 1992, foi declarada pela UNESCO como patrimônio da humanidade.

São vetadas atividades como passeio de buggy, descida com pranchas de madeira e motocicletas sobre as dunas.

Farol da Barra

Foi instalado em 1914 com o objetivo de guiar os navios na Foz do Rio Cricaré. Em 1999 foi removido temporariamente de seu local de origem, ao Norte do

Rio Cricaré, para a Praça Gentil Lopes da Cunha (Praça do Pontilhão) em função da invasão do mar. Hoje, já retornou ao local de base inicial, ao Norte do Rio Cricaré.




Centro Cultural de Itaúnas

Espaço que visa organizar os movimentos culturais da Vila, aberto à visitação em exposições de artesanato, pintura, folclore e atividades afins. Visitação: de segunda a sexta feira, das 12h às 17h, sem visita guiada, com acesso gratuito e sem autorização prévia.

Vamos conhecer um pouco da história do município de Conceição da Barra

A história do município teve início em 1554, quando os portugueses chegaram à região através do grande rio, chamado pelos índios de Cricaré. O nome da cidade surgiu de uma homenagem que os nativos decidiram prestar a Nossa Senhora da Conceição, padroeira do então povoado de Barra de São Mateus.

Em 1891 o local passou a se chamar Conceição da Barra. Do final do século XIX ao início do século XX, o porto de Conceição da Barra foi um dos mais importantes e movimentados do Estado do Espírito Santo. Por ele escoava toda a produção do vale do Rio Cricaré, incluindo os produtos produzidos pelo município de São Mateus e embarcados no movimentado porto localizado na cidade baixa.

O Rio Cricaré

O rio que nasce na Serra da Safira em Minas Gerais atravessa dois municípios litorâneos do norte capixaba: São Mateus e Conceição da Barra, local de sua foz. Através dele os portugueses colonizaram a região e chegaram até o município de São Mateus, onde fundaram, no século XVII, o porto. Sua história passa pelos ciclos da madeira, da cana de açúcar, da farinha de mandioca e do café.

O nome Cricaré vem da toponímia indígena Kiri-Kerê, ou o dorminhoco, como era chamado pelos indígenas. Os portugueses o rebatizaram São Mateus. Atualmente, a pesca é a única atividade econômica que se beneficia do Cricaré. Próximas à foz, as vilas históricas de Barreiras e Meleiras podem ser visitadas em um passeio de barco.

Conheça Conceição da Barra e se apaixone!




Sandra Santos

O site girocapixaba.com é a concretização de um sonho, onde o foco é o turismo do estado do Espírito Santo. Não me canso de dizer: "O Estado do Espírito Santo é Lindo!"

Website: http://sandrasantos.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *